Artigos

[Artigos][bleft]

Resenhas

[Resenhas][twocolumns]

"O Profeta da Irreverência", José Vilela





Em "O Profeta da Irreverência" você vai entrar em
contato com um primata revoltado com a cegueira
de seus patrícios, que vivem patinando na miséria e 
acham que tem a proteção do Barba Branca. 
Solidário, nosso herói lamenta que a nação tupiniquim 
esteja povoada de "analfaburros", que são 
os analfabetos políticos e os analfabrutos religiosos
manipulados pela "Máfia da Alma".

José Vilela (de Moraes), aquariano apaixonado por literatura, nasceu no município de Guiratinga, Mato Grosso. É graduado em Comunicação Social, com habilitação em Jornalismo, pela Universidade Federal do Amazonas (1982).

Trabalhou aproximadamente dez anos, como professor, na rede de educação pública. No jornalismo, prestou serviço como repórter, chefe de reportagem, editor e correspondente no interior. Trabalhou em jornais diários, semanários, revistas e informativos de empresas e de sindicatos. É assessor de Imprensa do Sindicato dos Servidores Públicos Federais no Estado de Roraima (Sindsep-RR) desde julho de 2005.

Vilela tem 12 livros editados: Os agricolinos (1983); Você tem muito de sozinho (1984); Os bravos de Oixi (1994), traduzido para o italiano com o título “Gli eroi di Oixi” (1995); Eu sou MM (1998); Xununu Tamu (1998); A chave do impossível (1998); Macaco velho não pula em galho seco (1999); Rapadura é doce, mas não é mole (1999).

Depois de cinco anos hibernado, volta a publicar: Fragmentos da história do Sindsep-RR (2005); OAB Roraima: um resgate histórico (2009); O Guru da Floresta (2013); João Ferreira Mota sem fronteiras: biografia de um migrante que trocou o Maranhão por Roraima (2014).

O autor já morou em vários estados brasileiros. Atualmente reside em Boa Vista, Roraima. 

Adicione "O Profeta da Irreverência" à sua estante no Skoob.
O livro pode ser encontrado nos sites Arte para Viver e LivroNauta.


Poste um comentário
  • Blogger Comment using Blogger
  • Facebook Comment using Facebook
  • Disqus Comment using Disqus

Nenhum comentário :