Artigos

[Artigos][bleft]

Resenhas

[Resenhas][twocolumns]

Seis livros nacionais que podem mudar a sua vida



Tudo o que é brasileiro não presta! É difícil encontrar alguém que nunca tenha ouvido frases como essa. Todos nós sabemos que há um certo preconceito com os produtos nacionais. Há aqueles brasileiros que insistem em dizer que tudo o que vem de fora é melhor do que tudo do que tudo o que é produzido no Brasil. Infelizmente isso acontece muito com a música, com o cinema e com a literatura. Aliás, este post é sobre literatura… Literatura Nacional.

Muitos de nós, movidos pelo juízo preconcebido, costumamos sempre buscar pela Literatura Estrangeira nas livrarias que costumamos frequentar. Aliás, outro dia fui numa livraria no centro de Osasco (cidade da região metropolitana de São Paulo) e solicitei à atendente que verificasse a disponibilidade de um determinado livro de um autor nacional contemporâneo. Imediatamente ela arregalou os olhos e me disse que era raríssimo os leitores procurarem por literatura nacional naquela livraria. Prova disso é que as vitrines da livraria eram composta somente por livros estrangeiros. Não é que isso seja ruim, mas a literatura nacional tem o seu valor e precisa ser reconhecida.

A nossa literatura tem muito a oferecer com dezenas de escritores que falam sobre diversos assuntos, de todos os tipos. Não estou querendo criar um preconceito em torno da literatura estrangeira e muito menos querendo colocar a literatura nacional num pedestal. Muito pelo contrário, as duas vertentes têm seus defeitos e suas qualidades, mas o que quero dizer é que não podemos somente olhar para fora, pois o que vem de dentro também pode ser muito bom e pode até te surpreender. Veja agora seis livros nacionais de autores contemporâneos que poderão mudar sua vida:

Alexandre Loch - “Bile Negra”



Bile Negra traz a luta de um indivíduo contra os vazios da existência. Na verdade, uma guerra travada por todo ser humano. É uma obra que trata principalmente da angústia. Alexandre Loch apresenta a Teoria dos Quatro Humores mediante o protagonista e outros personagens que cruzam a trajetória de Iago. Neste livro, o leitor não encontrará um estudo de caso; Bile Negra é, antes de tudo, literatura.

Jéssica Paula - “Estamos Aqui”


Com relatos da viagem à Etiópia, Sudão, Sudão do Sul e Uganda, a escritora goiana nos convida a conhecer a história das pessoas que encontrou durante sua viagem e os desafios nos campos de refugiados. Ela chegou a ser expulsa de um estado em conflito, onde a presença de estrangeiros é proibida. No fim da viagem, Jéssica contraiu malária, mas vou em segurança.

“Eu sei porque você tá aqui. Você está aqui por causa da gente. Então, quando você voltar para o seu mundo, por favor, conte para eles que nós estamos aqui.” Frase dita por um dos muitos refugiados da guerra civil do Sudão.

Grimaulde Gomes - “Götterdämerung: Os deuses não são eternos”



A sinopse do livro pergunta ao leitor: O que tem em comum o Titanic, a Virgem de Fátima os comunistas e os judeus? A resposta está no livro! Aliás, um livro que conta a história que a história não conta. Oto Friedmann, médico, ex-oficial da Gestapo e amigo de Hitler, relata a sua trágica tragetória dentro da Alemanha Nazista, passo a passo, em memórias direciada a sua filha Cláudia, exilada no Brasil.

Cesar Luis - “Pedras Negras”



Há temas capazes de deixar um livro irresistível. Em geral, esse tipo de obra guarda relações com a História ou, melhor, com a História e suas lacunas. Pedras Negras é um exemplo.
O livro de Cesar Luis explora Tiahuanaco. Nele, Rico e Lia colaboram com o protagonista, Fernando Eastman, homem de ciência que se aventura nas terras andinas. O clima é conspiratório. Seguindo os passos de Eastman, o próprio autor visitou Cuzco, uma cidade peruana situada no sudeste do Vale de Huatanay.

Em Pedras Negras, romance de Cesar Luís, registros antigos e velhas lendas – como a que trata de Atlântida e o seu misterioso sumiço – apresentam-se num intrigante entrelaçamento. Fernando Eastman, Rico e Lia tentam desenrolar uma emocionante trama andina. Manipulação de informações, política internacional, religião, astronomia, vida inteligente em outros planetas, sociedades secretas, projetos secretos de exploração espacial são os principais temas que esperam por você.

Fernando Valverde - “O Vitral”



Nas catedrais da Idade Média, o texto, a ação, a trilha sonora e o cenário dividiam estes dois objetivos: transmitir o poder de Deus e receber, em troca, o respeito, o temor e a obediência dos fiéis.

Como parte do cenário, os vitrais apresentavam as narrativas bíblicas e, de quebra, a luz divina que rasgava impiedosamente as trevas.

Desde então, os homens perderam a inocência. Os vitrais agora são sofisticados e nos alcançam para muito além das catedrais. Suas promessas nos chegam pela TV e internet.

Ao ler este livro, seus olhos se abrirão como nunca antes e você irá enxergar a vida de uma forma mais ampla. Você passará a enxergar o seu semelhante, a religião, a fé, e a espiritualidade livre de preconceitos. Você vai enxergar a essência.  As estrelas, o céu, a lua, o sol, o mar, os pássaros, as flores, os animais, enfim, você verá tudo com um olhar diferente e sentirá a necessidade de agradecer por tudo. Agradecer principalmente por você fazer parte deste mistério que está em tudo.

Renan, “Inquérito” - “Poesia pra encher a laje”

Foto: Márcio Salata
O livro trata de temas do cotidiano com reflexões sobre a realidade e uma carga de sentimentos fortes. Cada poesia é um murro na cara. O livro traz produções escritas por Renan desde o ano de 2012 e tratam de assuntos atuais, sociais, cotidianos. Em breve tem resenha completa aqui no blog.

Poste um comentário
  • Blogger Comment using Blogger
  • Facebook Comment using Facebook
  • Disqus Comment using Disqus

Nenhum comentário :