Artigos

[Artigos][bleft]

Notas Musicais

[Notas Musicais][twocolumns]

O Viajante das Estrelas entrevista o autor T. F Portsan



O blog O Viajante das Estrelas traz para você uma entrevista com o escritor T. F Portsan. Na entrevista, o autor relata detalhes de sua vida e como foi ter encontrado o portal do espaço e tempo que o trouxe direto para o ano de 2008. O autor também conta detalhes de seu livro, "Caçadores - A Ascensão das Trevas - livro 1" e também sobre seus planos futuros.  

Além de escritor, Portsan também é roteirista e diretor teatral. Nasceu no ano 1830, em Warwick, capital do condado de Warwickshire, na região central da Inglaterra. Filho do famoso equilibrista inglês Joseph Begum Clarke, viajou para os EUA em 1836 com a companhia de circo do seu pai, onde viveu até completar vinte anos. Foi nessa época que, no depósito do Circo Real de Clarke, encontrou um portal de espaço e tempo escondido dentro de uma secular caixa de música. Por acidente, foi tragado pelo artefato e conduzido ao ano de 2008, sendo encontrado em seguida pela Patrulha dos Sentinelas do Clã dos Caçadores, que o acolheu. Desde então, habita o tempo presente e trabalha como relator oficial do Clã dos Caçadores, empossado para tão estimado cargo pelo próprio rei dos Caçadores. Ainda hoje, T.F Portsan procura uma maneira de voltar para casa.

Dentro dos livros do Ciclo Caçadores, T.F Portsan é o relator oficial do Clã e é o responsável por documentar as histórias dos personagens.
No final da entrevista, disponibilizo o book trailer do livro no YouTube, os links para que vocês possam acompanhar o escritor nas Redes Sociais e, claro, o link para compra do livro direto no site da editora.
Conheçam o trabalho de T. F Portsan. Vale muito a leitura!

O Viajante das Estrelas: É uma honra muito grande e uma oportunidade única poder entrevista-lo, caro Portsan. Vamos lá! Vamos falar um pouco sobre você. Quem é T. F Portsan?

T. F Portsan: Começamos pela pergunta mais difícil de ser respondida (risos). Perspicaz. Sou uma pessoa que nasceu de novo, por assim dizer. Sou a voz (e as mãos) de todos que estão por trás, nos bastidores, que lutam e vivem em prol de um bem comum. Algumas pessoas dizem que sou reservado, o que me torna um pouco misterioso. Mas um pouco de mistério é instigante quando tudo ainda não pode ser dito.

OVE: Como foi a sua infância?

Portsan: Cresci correndo de uma tenda para outra no circo do meu pai. Foi onde tive o meu primeiro contato com uma das artes mais puras e diversificadas que existem. No circo, aprendi o conceito de família e que ele é muito mais amplo do que muitos costumam afirmar. Meu pai e minha mãe sempre estiveram muito presentes na minha formação desde muito pequeno. São as primeiras referências que tenho de coragem e perseverança, pois, embora o circo do meu pai possuísse um grande público, a vida itinerante requer muita força de vontade e trabalho.

OVE: Como foi ter encontrado aquele portal de espaço e tempo que o trouxe direto para o ano de 2008?

Portsan: Meus pais sempre me disseram para respeitar aquilo que eu desconhecia e os instrumentos sagrados e místicos que existem espalhados por todo mundo, pois, embora não acreditemos ou desconheçamos os poderes que se espalham por todos os lados, isso não significa que eles não existem. Eu sabia desde criança da existência daquela caixa de música antiga que ficava aguarda no depósito do circo, ela vinha passando de geração para geração na minha família, e, algum dia, seria entregue a mim. Contudo, a minha curiosidade foi maior do que a minha cautela, por isso, abri a caixa e fui trazido para este novo mundo. Nunca imaginei que, um dia, a civilização humana chegaria ao ponto no qual a encontrei em 2008. Tudo mudou drasticamente, porém outra coisas permaneceram imutáveis, como a ganancia e o ódio que o ser humano nutre por seus iguais.

OVE: Você sente falta de seu pai, Joseph Begum Clarke? Como era a sua relação com ele?

Portsan: Sinto muita falta da minha antiga vida. Não só do meu pai, mas também de toda a minha família do circo. Eles possuíam algo que sinto falta hoje nas pessoas com as quais convivo. Perdeu-se a magia, o encantamento, a maneira lúdica de enxergar e enfrentar os problemas da vida. Meu pai me ensinou que, com um pouco de fantasia, tudo mais pode ser resolvido. Tínhamos uma relação muito íntima, de companheirismo e cumplicidade. Foi ele que me ensinou quase tudo do que eu sei hoje. Sinto muito a sua falta.

OVE: Você acredita que conseguirá reencontrar o caminho de volta para casa? O que tem feito para isso?

Portsan: Acredito que tudo é possível, justamente por ter atravessado eras do tempo e ter constatado que o mundo vive em constante mutação. Aprendi a não tomar nada como verdade absoluta, pois as verdades pertencem aos seus tempos e, se os tempos mudam, com o passar dos anos, elas também irão mudar. Então, acredito, sim, que um dia eu poderei regressar ao meu tempo e lugar de origem, reencontrar a minha família e retomar a minha antiga vida do ponto onde a deixei.

OVE: A respeito do seu livro, o que o motivou a escrevê-lo?

Portsan: Quando fui encontrado e acolhido pelo Clã dos Caçadores, o rei Daniel me designou para um dos cargos mais importantes dentro da Sede, que é documentar, a partir do meu ponto de vista, os fatos mais importantes que acontecem na nossa comunidade. No entanto, estamos passando por tempos difíceis e o rei Daniel acreditou que todos deveriam estar preparados se o pior vier a acontecer. Logo, para que essa preparação aconteça, é necessário que todos saibam o que fazemos e conheçam os nossos motivos. O ser humano, por conta da sua vida rotineira tão corrida, se esqueceu de que existem muitas coisas que ele desconhece e que ainda não pode explicar. A razão de o livro ter sido publicado é trazer luz a um tempo que, embora esteja recheado de novas descobertas científicas, permanece mergulhado nas trevas por temer e não acreditar no desconhecido.

OVE: Fale um pouco sobre o jovem recém-recrutado, o Raul?

Portsan: Vivo no Clã dos Caçadores há sete anos, e, nesse tempo, eu ainda não tinha visto um jovem tão competente e responsável quanto Raul. Geralmente, quando novos Caçadores são iniciados no Clã, é muito difícil que eles façam a transição da sua vida antiga para a nova, pois é preciso abdicar de tudo o que se tem para lutar ao lado dos Caçadores; amigos, familiares, antiga rotina, tudo isso é deixado para trás com o objetivo de se dedicar única e exclusivamente a manter o equilíbrio entre o mundo humano no qual vivemos e o mundo fantástico de Tannáh, local onde vivem todas as criaturas mágicas que existem, desde as mais inofensivas até as mais perigosas. Raul encarou isso com uma maturidade que eu ainda não tinha visto.

OVE: Em um dos textos que publiquei aqui no blog, “O Limite das Trevas”, eu começo perguntando se as trevas e a luz dividem espaço neste planeta. Você pode me responder esta pergunta?

Portsan: Sem dúvidas que dividem. Como eu disse, existe muito mais do que todos sabem. No entanto, há trevas e luz dentro de nós mesmos que travam uma dura batalha todos os dias. Há muito de vilão em todos nós, bem como muito de mocinhos. É a regra primordial da dualidade. As trevas nem sempre estão distantes como nós preferimos afirmar. Eles moram dentro de nós e podemos presenciar o estrago que elas podem fazer se não controladas pela luz.

OVE: Para finalizarmos, convide os leitores do blog para ler o seu livro e conte quais são seus planos para o futuro?

Portsan: Caçadores – A Ascensão das Trevas, mais do que tudo, é um manual, é uma leitura para aqueles que pressentem e sabem que os tempos estão mudando rapidamente e que as nuvens carregadas do mal começam a encobrir o céu. A leitura deste livro ampliará os horizontes daqueles que, assim como nós Caçadores, desejam lutar pela perpetuação da espécie humana, pois uma grande batalha se aproxima contra um inimigo que, talvez, não sejamos capaz de vencer. Atualmente, documento e escrevo todos os passos que estão sendo tomados no Clã dos Caçadores para que esta batalha seja menos catastrófica do que ela ameaça ser. Mas, se vocês abrirem os olhos um pouco mais, poderão perceber indícios de que ela já está acontecendo. É só observar com mais cuidado. Como dizem, nem tudo o que parece é. Se sairmos vivos desse embate que se aproxima, espero poder contar a vocês em outros livros tudo o que aconteceu.




Conheçam o trabalho de T. F Portsan no Wattpad:





Curtam a sua fan page Oficial no Facebook:




Curtam também a fan page Oficial do Livro:
ASSISTA O BOOK TRAILER OFICIAL DO LIVRO:

O livro pode ser adquirido através na página da Editora Selo Jovem. Acesse:



Post A Comment
  • Blogger Comment using Blogger
  • Facebook Comment using Facebook
  • Disqus Comment using Disqus

Um comentário :

  1. Olá
    Apreciei muito o trabalho de vocês , vou com certeza acompanhar pois é muito completo e merece alguns retornos para me inteirar de posts tão atrativos.
    Parabéns e bom retorno!!!
    Suce$$o e mais Suce$$o
    http://www.maisqueumaviajante.com.br

    ResponderExcluir