Artigos

[Artigos][bleft]

Notas Musicais

[Notas Musicais][twocolumns]

Sabor da Paixão


Cristina estava obcecada em eliminar qualquer obstáculo que estivesse em seu caminho para impedi-la de ter Leonardo para ela. Passou a perseguir todos os passos de Paula, prima de Léo, por acreditar que ela estava se insinuando para o jovem rapaz. Era capaz de tudo para tirar qualquer pessoa que fosse do seu caminho.

Como que por um impulso, um dia, durante a festa de aniversário de Léo, Cristina ameaçou a sua suposta rival com uma faca após presenciar um beijo no rosto e um abraço bem apertado e demorado entre os primos. O ato insano foi presenciado por todos os convidados e, em especial, pelos parentes de ambos que ficaram horrorizados. Os flashes das máquinas fotográficas ficaram eufóricos diante da pavorosa cena.

Na confusão, Cristina empurrou Paula, que caiu em cima de uma mesa cheia de copos e acabou se cortando nos braços. Leonardo, completamente descontrolado diante da cena, agarrou Cristina, tirou a faca de suas mãos e expulsou a jovem de sua casa sobre gritos e insultos contra sua sanidade. O caso foi abafado, o tempo passou, ninguém tocou mais no assunto, mas Cristina estava sempre presente, impondo o seu papel de esposa que nunca existiu. Paula, viajou para passar um tempo na casa da irmã, no interior de Minas Gerais.

A mente de uma mulher apaixonada é uma caixa de mistério. Aliviada em ver a rival fora do caminho, Cristina começou a fazer de tudo para se aproximar de Léo. Tinha em mente que ele era o homem de sua vida.

Ela sonhava em entrar na igreja vestida de noiva e ver o seu amado a esperando no altar para oficializar a união. Esperava pelo dia em que saborearia o doce sabor da paixão em seus lábios, provocando sensações de euforia, prazer e felicidade plena. Fazia muitos planos para um futuro que jamais teria ao lado deste homem.

Todos o seus sonhos desmoronaram quando ela descobriu que seu grande amor estava envolvido com Gleyce, uma colega de trabalho dele. Quando viu os dois juntos no Shopping, vociferava internamente que aquela vagabunda jamais seria dele. Inconformada com a relação dos dois, Cristina, dedicou-se a infernizar a vida do mais novo casal, tentou descobrir algo de irregular no passado de Gleyce para usar a seu favor, mas não encontrou, passou a seguir os passos da nova rival e conseguiu descobrir o telefone dela passando a ligar todos os dias para o número. Quando Gleyce atendia, a ligação ficava muda por alguns instantes e era encerrada. Gleyce sabia que era Cristina a responsável por estas ligações, sabia de sua paixão por Léo, sabia do ocorrido com Paula, sabia do ela era capaz, mas não tinha medo. Estava preparada para responder aos seus insultos.

Um dia, durante a corrida matinal de Gleyce, Cristina estava em seu carro parada no farol de uma importante avenida de Sã Paulo quando a viu correr pela faixa de pedestre. O rádio do carro tocava "Atrás da Porta", na voz espetacular de Elis Regina, e dava a impressão que a corrida da moça atravessando a faixa parecia ser em câmera lenta, pois nunca terminava. Um lágrima de ódio verteu de seus olhos e ela sentiu vontade de avançar o carro sobre a jovem para tirá-la de uma vez por todas de seu caminho. Era uma grande oportunidade! A vontade estava começando a querer saltar para fora e tornar-se ação, quando deparou-se com um carro da polícia estacionando na calçada.

Nos dias que se seguiram, Cristina teve maratona de  azar. Primeiro, perdeu o emprego por estapear uma colega de trabalho; depois foi forçada por sua família a fazer um tratamento psiquiátrico sobre ameaça de ir embora para o exterior; perdeu todos os amigos que tinha devido ao comportamento agressivo.

Nada disso preocupava Cristina! A única coisa que queria, acima de qualquer coisa, era Leonardo. Quando soube que ela havia marcado o casamento com sua rival, ela ficou completamente fora de si e começou a arquitetar um diabólico plano para impedir o casamento. Planejou tirar a vida de Gleyce.

O tempo passou. Dias antes do casamento, Cristina estava pronta e disposta a tudo para impedir que a cerimônia se realizasse. Completamente transtornada, ela pegou uma arma, guardou em sua bolsa, vestiu um belo vestido vermelho, entrou no carro e saiu ao encontro do destino. Durante o trajeto, ela aumentou o volume do carro e chorava compulsivamente, dirigindo em alta velocidade pelas ruas noturnas de São Paulo. Completamente cega, não percebeu que o sinal havia fechado, avançou-o e foi atingida por um caminhão que também vinha em alta velocidade. Era o fim! O corpo de Cristina ficou inerte, preso entre as ferragens.
Poste um comentário
  • Blogger Comment using Blogger
  • Facebook Comment using Facebook
  • Disqus Comment using Disqus

Nenhum comentário :